Terceira Idade

A eles a boa acolhida e o amor de Cristo.

Sabemos que em todos os países o número de pessoas idosas aumenta a cada dia; vive-se mais hoje e nascem menos crianças. Assim, os idosos ocupam hoje um lugar de destaque nas sociedades, e essas estão voltando os seus olhos para eles.
 
A Igreja não pode ficar alheia a esta realidade. Por isso precisa fomentar a Pastoral da Pessoa Idosa, que não existe em muitas paróquias.
Quanto mais a vida moderna agita os lares, mais importância as pessoas idosas têm na vida da família e dos seus filhos e netos. Hoje a maioria dos pais e mães trabalham fora de casa, e muitos netos ficam a cargo das avôs e avós, que prestam um grande serviço a seus filhos na educação dos netos. A sabedoria deles, a experiência nas coisas do lar, ajudam muito na educação dos seus netos. Sem contar que muitos deles já foram professores de muitas disciplinas, além de música, dança, e tantas coisas que podem agora transmitir aos jovens e crianças.Da mesma forma esta experiência acumulada pode ajudar muito a Igreja no seu trabalho de evangelização de crianças, jovens e adultos. Penso que em primeiro lugar, a Pastoral dos idosos deve olhar para isso, e abrir-se para esta riqueza disponível de tantas pessoas sábias, doutas, que podem ser muito úteis à Igreja. Por outro lado, isto dará aos idosos que dispõem de tempo, uma atividade importante em suas vidas, trazendo-lhes valorização, realização e vida mais longa. Sabemos que a inatividade pode apressar a morte de uma pessoa idosa. É preciso valorizar a pessoa do idoso.
 
Em muitas atividades eles podem ser úteis: na catequese das crianças, jovens e adultos, na formação específica, nos Conselhos paroquiais e diocesanos, na administração das obras e finanças, na liturgia, nos trabalhos de escritório, no atendimento às pessoas, na oração, etc. Ficamos muito tempo a mingua de uma boa catequese, e por isso, muitos de nossos jovens e adultos de hoje não sabem sequer a relação dos Sacramentos e Mandamentos; penso que muitos idosos podem ajudar a Igreja a vencer esse atraso. Muitos católicos foram para as seitas porque lhes faltou a catequese.
O documento do V CELAM, de Aparecida, pede que a Igreja esteja em "estado permanente de missão", e isto deve incluir os idosos.
 
Mas a pastoral do idoso tem o outro lado, que é levar a eles a boa acolhida e o amor de Cristo. Sabemos que muitos idosos têm uma vida difícil, e por isso a Pastoral deve se preocupar em dar-lhes assistência espiritual, material e afetiva. Muitas famílias deixam os seus idosos em situação difícil; às vezes doentes, sem recursos financeiros, sem às vezes até um lar, vivendo na solidão, abandonados... Não há dúvida de que esse idoso é o "pobre mais pobre", aquele que o braço de Cristo, através da Igreja, deve alcançar com mais urgência.
 
O mundo de hoje é muitas vezes injusto e insensível com os idosos; muitos deles são vistos como pessoas que "só dão trabalho", já não produzem mais, são abandonadas nos asilos; e, pior ainda, pesa-lhes sobre a alma, em alguns países, a ameaça da eutanásia, que a cada dia cresce no mundo todo. Os jornais noticiaram que muitos idosos da Holanda estão deixando os asilos daquele país, com medo da eutanásia, e estão se abrigando nos asilos da Alemanha onde a eutanásia não é legal.
 
Que horror! Que injustiça! Essa pessoa que trabalhou a vida toda, que construiu a sociedade, agora é empurrada para a morte como se fosse apenas um estorvo, e não um ser humano... Não podemos chamar a isto de civilização, antes de barbárie.
 
Na velhice, todas as faculdades físicas enfraquecem. Os olhos já não enxergam como antes; os passos agora são lentos e, muitas vezes, precisam do apoio de bengalas; os ouvidos já não ouvem bem; os dentes já não são fortes como antes; os braços já não podem fazer força... o corpo dói com facilidade porque os músculos são frágeis e todos os órgãos já estão cansados. Facilmente, a doença se instala. É ai então que a caridade de Cristo deve agir. É então nesta fase que o idoso mais precisa do calor dos jovens, do seu carinho, apoio e companhia caridosa. Isto nos sugere unir de certa forma a catequese dos jovens e das crianças aos idosos.
A Pastoral do idoso deve, então, se preocupar com a sua "acolhida"; não ficar esperando que ele chegue à Paróquia, porque muitos deles já não têm mais condições de ir a ela. Então, é a Paróquia que deve ir a eles. Conheço uma família ex-católicos que se tornou protestante porque a avó da família ficava só e doente em casa o dia todo. Recebendo a visita dos protestantes que a acolheram, trataram dela, oravam com ela, etc., ela foi para a igreja deles, e levou toda a família. Penso que isto se repete muito hoje. É uma grave omissão das nossas pastorais, e que precisa ser corrigida.
Esta lição nos ensina que a Pastoral do idoso precisa ir de rua em rua, de casa em casa, descobrindo e acolhendo cada idoso que precise de ajuda. Muitos deles já não podem ir à Igreja, então precisam receber os Sacramentos em casa. É nesta hora que se vê a grandeza da Pastoral.
 
Se a nossa caridade para com os outros irmãos não é esquecida por Deus, quanto mais a caridade para com os idosos!